Para-raios em Condomínios


O Brasil é um dos países com a maior incidência de descargas elétricas no mundo. Estima-se que o solo brasileiro seja atingido por, aproximadamente, 60 milhões de raios ao ano. Ao calcular a média anual, temos o impressionante número de dois raios por segundo.

O Brasil é um dos países com a maior incidência de descargas elétricas no mundo. Estima-se que o solo brasileiro seja atingido por, aproximadamente, 60 milhões de raios ao ano. Ao calcular a média anual, temos o impressionante número de dois raios por segundo. O Brasil é um dos países com a maior incidência de descargas elétricas no mundo. Estima-se que o solo brasileiro seja atingido por, aproximadamente, 60 milhões de raios ao ano. Ao calcular a média anual, temos o impressionante número de dois raios por segundo.
Ao nos depararmos com essas informações já é possível ter um indicativo do quanto os para-raios são importantes. Em alguns casos, estabelecidos pela Norma NDR da ABNT, essa proteção torna-se indispensável. Como nos casos seguintes:

  • Locais de prestação de serviços públicos essenciais;
  • Estruturas de valor cultural e histórico;
  • Locais com grande afluência de pessoas;
  • Áreas com alta densidade de raios;
  • Estruturas isoladas;
  • Edificações com altura superior à 25m.

Alguns edifícios podem ser desobrigados da instalação de um para-raios, mas para isso é preciso um relatório técnico, com a respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), em que o profissional capacitado ateste que a edificação foi avaliada, estudada e dispensada.

Qual a importância em ter para-raios em condomínios?

Apesar de um condomínio poder se isentar da instalação de para-raios, antes é importante saber quais os danos a falta dele pode causar.

 

  • Equipamentos eletrônicos queimados
    Esse é um dos maiores medos dos condôminos que moram em prédios sem para-raios: “se tiver uma tempestade e queimar minha TV, quem arca com o custo?”. Apesar de muitos culparem o condomínio, em casos como esse os moradores podem cobrar o prejuízo da empresa de energia responsável pelo abastecimento. Essas regras estão previstas na Resolução nº 61/2004 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).
    Para o condomínio os custos podem ser com queima dos motores dos portões elétricos e placas do quadro de comando dos elevadores, câmeras de segurança e outros itens.
  • Choque e morte
    Esse é o pior dos danos causados pela queda de raios em prédios sem para-raios. Existe a possibilidade de pessoas se ferirem gravemente devido às descargas elétricas ao manipular aparelhos eletrônicos ligados na rede elétrica ou mesmo quando a corrente é descarregada no solo.
  • Problemas estruturais
    Para o prédio esse é um dos maiores problemas, quando relacionamos danos materiais. A intensidade de um raio é capaz de danificar a alvenaria e até mesmo derrubar parte de uma estrutura. Sendo capaz de causar prejuízos inimagináveis ao condomínio.

Quanto custa

Um para-raios predial possui um valor muito variável, tudo vai depender do tipo do equipamento e também do tamanho do condomínio em que será instalado. O custo da vistoria para emissão do laudo técnico custa, em média, R$ 400,00. Já o equipamento para um condomínio de 400m2 ficará em torno de R$3000,00.

O para-raios é de extrema importância para manter um condomínio seguro, seja contra danos físicos ou materiais. Quando bem instalado e com a vistoria em dia é possível enfrentar uma tempestade com tranquilidade. Gostou? Acompanhe o blog do Condobrasil para receber mais dicas sobre o seu condomínio.